SEMANA 36 – DEPRESSÃO NA GESTAÇÃO

Olá queridos(as).

Sei que estou atrasadinha com os posts, mas eu perdi minha senha e não conseguia recuperar, além da depressão que vou lhes contar aqui, enfim, alguns fatores colaboraram para o meu sumiço, mas agora voltei e com muito conteúdo, principalmente sobre a maternidade, então espero que gostem…

Vamos dar um pulinho, da 17ª semana, para a 36ª semana de gestação…

SEMANA 36 (03/08 A 08/08)

Pois é, quase 20 semanas se passaram, então vou tentar resumir o que aconteceu nesses últimos meses.

Quando completei 20 semanas, foi um marco, pois metade da gestação havia passado, porém, sabia que ainda tinha um longo caminho pela frente.

Cada fase foi vivida intensamente, ainda está sendo.

Já ouviram falar que o segundo trimestre é a lua de mel da gestante?

É mais ou menos isso mesmo, porém, para mim houve uma ressalva, uma vez que minha depressão piorou.

Talvez por conta de ter parado com o medicamento, e mesmo com acompanhamento psicológico, ficou muito difícil essa fase.

 

DEPRESSÃO NA GESTAÇÃO

Todos sabemos que gestar é um milagre, é uma dádiva, porém, quando se está depressiva, os medos, as angústias e a solidão são muito maiores.

Por esse motivo, pensei em ir atrás de algum medicamento fitoterápico ou floral e resolvi questionar meu médico a respeito e sabe o que eu ouvi?

-Não há antidepressivo melhor do que a gravidez!

Fiquei pasma. Como um médico de tão alto gabarito poderia brincar com algo tão sério.

Isso pra mim foi uma afronta, pois ele não sabia pelos problemas que havia enfrentado, na minha concepção, jamais deveria ter dito isso, mas vida que segue.

Queria eu que ele estive coberto de razão, mas as coisas não funcionam desta maneira.

Tentei seguir adiante somente com acompanhamento psicológico e tentando mais uma vez ser forte o suficiente para sair deste estado de depressão.

O fato de eu estar sem um emprego no momento foi algo que mexeu muito comigo, eu teria que aprender na marra a ficar mais quieta, aceitar o que a vida estava me propondo.

Ao mesmo tempo que eu me sentia mal por isso, eu me culpava, pois sabia que seria mais incomodo estar trabalhando nesse momento, com tantos mal-estar e dores.

Isso me atormentou por muito tempo e minha depressão só piorava, pois eu tinha várias crises de ansiedade, muito choro, tristeza e culpa por estar me sentindo assim, mesmo com um bebê a caminho.

Sentia que estava passando tudo isso pra ele e eu não queria isso jamais.

Lutei muito com meu emocional. Meu marido me ajudou muito com conversas e carinho e eu fui criando forças.

Infelizmente minha psicóloga teve alguns problemas pessoais e precisou cancelar minhas sessões e mais uma vez eu tive que ser forte para passar por isso, sem remédios, sem auxílio profissional, sem exercícios físicos que tanto me ajudavam.

E assim fui levando, dia após dia, tentando olhar para meu emocional com carinho, evitando de me culpar e me julgar o tempo todo. Não foi fácil!

Outra culpa que estava me atormentando era a alimentação. No começo do terceiro trimestre eu sentia muita fome, ainda seguia à risca o cardápio da nutri, porém, a fissura por doce aumentava, devido a ansiedade e antes de dormir eu adorava tomar um leite quente com bolachas e ela havia proibido isso.

Decidi então não me privar mais, pois isso estava me gerando outra culpa desnecessária, uma vez que nas refeições principais e nos lanches eu estava comendo de forma correta e equilibrada, com frutas, verduras e legumes.

Mas em uma semana acabei exagerando nos doces e comecei a tomar meu leite com bolachas a noite e engordei uns dois quilos em quinze dias e ela se espantou, com razão.

Também me espantei, mas meu corpo não havia mudado tanto, era só a barriga que estava crescendo mesmo, então resolvi me livrar desta culpa e não fui mais as consultas.

Eu sabia que isso poderia me gerar uma frustração muito grande depois, pois eu poderia engordar além do recomendado, mas não liguei, nesse momento meu emocional contava muito mais pra mim.

Claro que me preocupei em manter uma alimentação equilibrada, mas não me privava de nada que tinha vontade.

Hoje com 36 semanas, estou pesando 60,9kg, engordei 14kg até agora e meu desejo era engordar no máximo 10kg, mas foi uma escolha e por enquanto não me arrependo, pois estou dentro do recomendado para o meu corpo e não estou colocando a minha saúde, nem a do meu bebê em risco, pois meus exames estão todos ok.

Acredito mesmo que passar por essa turbulência emocional foi a parte mais difícil até o momento.

Sei que cada fase é uma fase e que todas elas vão haver dificuldades, inclusive tento preparar meu emocional para o parto, que sem dúvida será o mais tenso, porém, mais mágico, pois vou poder conhecer meu principezinho.

 Espero que tenham gostado,

Um beijo e até o próximo post!